TVs portuguesas na Galiza. 1+1=3

Recentemente a nossa associaçom editou um periódico, o Fest-Agal, que foi distribuído gratuitamente no dia da Pátria. A reportagem central versava sobre iminente receçom das Tvs portuguesas no nosso país. Incluía umha colaboraçom da jornalista e sócia da Agal, Comba Campoi, entrevista fictícia com Catarina Martins, deputada do Bloco de Esquerdas que se somou à encenação e umha descriçom do processo a cargo de um moderno Rafael Bordalo Pinheiro.

A nossa intençom, ao estilo orsonwelliano da Guerra dos Mundos, era criar umha realidade. Comentava o sócio-linguística basco Txepetx no curso de verao organizado recentemente pola UdC que é preciso haverem pessoas que sonham, haverem pessoas que transportam os sonhos e pessoas que os vendam. Mas o passo primeiro é imprescindível.

Para a nossa surpresa, muitíssimas pessoas acreditaram na veracidade da notícia e chegaram-nos emails a manifestar entraves para a correta sintonizaçom dos canais. Isto implica umha mudança de paradigma, a fase de criar sonhos está superada, agora resta transporta-los e vendê-los.

Que temos a ganhar como sociedade galega, com a receçom das Tvs portuguesas?

Para as pessoas e entidades envolvidas na promoçom social do idioma, aqueles e aquelas que aspiramos a que se torne a língua hegemónica do nosso país, a visualizaçom das TV de Portugal muda o esquema. Perante a realidade atual em que a grelha televisiva oferece por volta de 40 canais, sendo apenas dous deles na nossa língua, a receçom dos principais canais portugueses vem a equilibrar um bocado a presença da língua que nasceu no Reino da Galiza, a ambos os lados do rio Minho.

Umha outra consequência positiva desta presença vai ser o contato com palavras e registros genuínos da nossa língua, o que será um reforço para o seu uso. Durante séculos, os galegos e as galegas escondemos palavras e expressões polo facto de nom existirem em castelhano e dificultarem a comunicaçom com os falantes dessa língua. Esses mesmos recursos que escondemos e esquecemos som os naturais na Lusofonia, os naturais nas TV de Portugal. A sua audiçom e visualizaçom permitirá portanto lembrar o que esquecemos, e reforçar o que sabemos mas temos receio a utilizar, por temor a nom ser compreendidos.

Por fim, a nível de identidade, a receçom das Tvs de Portugal cria ligações com a sociedade portuguesa ao passarmos a compartilhar experiências culturais e de lazer, da mesma forma que a receçom das Tvs espanholas provocam ligações com as sociedades do Reino de Espanha. Os relacionamentos com a sociedade portuguesa, com qualquer sociedade lusófona torna-nos mais ricos e fortalece a cultura e a língua nacional.

Somar sempre é positivo. A nossa intuiçom matemática diz-nos que 1 + 1 = 2 mas, quando se trata de somar a Galiza e a Lusofonia, as matemáticas convencionais nom servem.

1+1 = 3

This entry was posted in Colaborações. Bookmark the permalink.